sexta-feira, 12 de setembro de 2014

'A Unimep é invendável', diz ex-reitor da universidade

'A Unimep é invendável', diz ex-reitor da universidade
Almir de Souza Maia manifesta sua preocupação com a possível negociação da instituição

'A Unimep é invendável', diz ex-reitor da universidade
Foto: Amanda Vieira/JP
Ex-reitor da Universidade Metodista de Piracicaba, Almir de Souza Maia é categórico ao afirmar que a Unimep é ‘invendável’. Ouvido pelo JP esta semana sobre a negociação que estaria ocorrendo nos bastidores — e que tem deixado a comunidade acadêmica apreensiva —, Maia se posiciona totalmente contrário à venda, pois tem ‘absoluta certeza de que a medida contraria os fundamentos e documentos metodistas’. Leigo da Igreja Metodista e ligado a ela, como membro, por 50 anos, ele afirma que a Unimep ‘é um patrimônio da educação universitária no Brasil’ e que a instituição deve ser preservada. Confira a entrevista.

O que é verdade e o que é especulação na polêmica envolvendo a suposta venda da Unimep? A Igreja Metodista está mesmo negociando a venda de cinco de suas oito instituições de ensino superior por um valor estimado em R$ 250 milhões, entre elas, a Unimep de Piracicaba? Desde quando ocorre esta negociação? A reportagem do Valor Econômico de 5 de agosto não foi desmentida pelos órgãos da Igreja e tudo indica que a Universidade Metodista de Piracicaba e as instituições Centro Universitário de Porto Alegre (RS), Faculdade Metodista de Santa Maria (RS), Centro Universitário Izabela Hendrix (Belo Horizonte, MG) e Faculdade de Birigui (SP) estão incluídas em um processo de discussão para venda. No entanto, não são públicas as etapas, condições e detalhamentos do processo em curso, que deve ter sido aprovado pela Coordenação Geral de Ação Missionária (COGEAM), considerando ser este o órgão administrativo superior da Igreja Metodista. Não disponho da informação de quando começou esta negociação, mas desde o início deste ano circulam informações não oficiais nos meios metodistas.

Segundo reportagem do Valor Econômico, a negociação não engloba o patrimônio imobiliário (prédios e campi), apenas os alunos e a utilização do CNPJ das instituições. Parece-me que sim, não há venda do patrimônio imobiliário. Não se trata, também, da venda da instituição mantenedora, pessoa jurídica que tem o CNPJ, mas sim da mantida. Com relação aos alunos, fala-se em “venda e compra de carteira de alunos”, questão, a meu ver, que envolve dimensões que precisam ser melhor discutidas.

A Unimep figura entre as instituições mais conceituadas do país e é considerada um patrimônio educacional de Piracicaba. O que significaria para a cidade uma perda como esta? Se a venda se confirmar, o que vai mudar para professores e alunos? Eu vou mais além, a Unimep é um patrimônio da educação universitária no Brasil, pelo que ela tem representado em termos de proposta que contempla qualidade acadêmica, corpo docente qualificado e experiente, infraestrutura de mais alto nível e compromisso social e político na formação de seus alunos. Internacionalmente reconhecida, trata-se da primeira universidade metodista fundada na América Latina, até hoje em muitos aspectos um paradigma para as outras metodistas que surgiram depois dela. Como ex-reitor e leigo metodista, trabalho na linha de que a venda, não só da Unimep, mas das demais instituições, não acontecerá. No entanto, para efeito de análise, se a venda fosse concretizada poderia desencadear para a Igreja uma série de questões da maior complexidade. Assim, creio que todos enfrentariam consequências, a começar pela Igreja e suas tradicionais e renomadas instituições de educação. Em se tratando de Piracicaba, perderíamos com a universidade sucessora, seja qual for, pois ela não teria os laços históricos, políticos e sociais que a Unimep tem e representa para a cidade e região. Nós não somos qualquer universidade, somos a Universidade de Piracicaba, que esta cidade apoiou desde os seus primórdios, com a instalação do Colégio Piracicabano há 133 anos e, mais tarde, a criação das Faculdades Integradas do Instituto Educacional Piracicabano com os primeiros cursos superiores, conhecidos como ECA, há 50 anos. Acho que alunos, professores e funcionários seriam afetados porque a proposta acadêmica, social e política da Unimep não teria sequência por mudanças de filosofia e visão educacional, conduta e postura.

Em assembleia realizada mês passado, professores, funcionários e alunos manifestaram repúdio à suposta venda da instituição. De que forma eles podem tentar impedir a venda? Apenas fazendo pressão? Conheço e concordo com a manifestação da comunidade representativa dos professores, funcionários e alunos da Unimep. Em minha fala de agradecimento ao Conselho Universitário, em 27 de agosto, afirmei: “(...) declaro concordar com o Posicionamento do Conselho Universitário sobre as notícias veiculadas e seus impactos para a Unimep, aprovado em 13 de agosto, e o Manifesto de Repúdio à suposta venda da Unimep aprovado pelas entidades representativas dos professores (Adunimep), funcionários (AFIEP) e alunos (DCE) em 13 de agosto de 2014”. Em meu entender é uma forma legítima de a comunidade se posicionar contrariamente a uma decisão que afetaria completamente a vida da instituição. Acho que a reação é fundamental e traduz o interesse, o respeito da comunidade ao projeto da universidade. Semelhantemente, manifestações estão acontecendo nas instituições do Rio Grande do Sul e de Belo Horizonte, onde também a presença histórica e educacional metodista é muito valorizada. A movimentação em Porto Alegre é anterior, pois há discussão de venda de imóveis cuja decisão tem sido contestada pela comunidade gaúcha, que já fez chegar sua preocupação com o fato até à Câmara Municipal e aos órgãos de defesa do patrimônio histórico da cidade.

Em reportagem publicada no JP, o presidente da Adunimep, Francisco Baccarin, confirmou que Unimep estaria sendo vendida com o aval da Cogeam (Coordenação Geral de Ação Missionária). O que faz o Cogeam? A Igreja Metodista é conciliar, isto significa que suas decisões são feitas por intermédio de seus concílios nos níveis local (pelo menos um por ano), regional (a cada dois anos) e geral (a cada cinco anos). No interregno dos concílios existem as respectivas coordenações missionárias — local (CLAM), regional (Coream) e geral (Cogeam). A Cogeam, composta por 14 membros, é o órgão de Administração Superior da Igreja e atua em substituição ao Concílio Geral e pode deliberar sobre assuntos da alçada do Concílio, desde que não conflite com decisão anterior daquele órgão e exceções expressas nos Cânones. Ademais, no caso das instituições educacionais, os mesmos componentes da Cogeam compõem a Assembleia Geral das entidades associadas, que são as oito Associações da Igreja Metodista, ou regiões eclesiásticas no conceito eclesial, pessoas jurídicas que podemos chamar de “proprietárias” das instituições educacionais em nível nacional.

E o Concílio Geral da Igreja? Decidiu pela venda? O Conselho Superior de Administração (Consad), órgão superior das mantenedoras, relatou a crise administrativa e financeira das instituições metodistas de educação ao 19º Concílio Geral da Igreja Metodista, realizado em 2011. Este Concílio, ao analisar o relatório, aprovou a proposta de recuperação operacional e gerencial da Rede Metodista de Educação com “realização de ativo para pagamento de dívidas visando o fortalecimento dos projetos educacionais das IMES e a sustentabilidade financeira das mesmas”, conforme registrado na ata. Pelo visto o Concílio Geral não autorizou venda de instituições educacionais, pelo contrário a Igreja reforçou a importância da educação.

Em homenagem que recebeu na Unimep, no Prêmio Ken Yamada para Lideranças Notáveis, o senhor manifestou seu descontentamento com a suposta venda e até pediu que “órgãos da Igreja Metodista reconsiderem a decisão do processo de venda, de modo que a Universidade Metodista de Piracicaba e as demais instituições envolvidas nestas decisões continuem seus projetos e seu serviço à educação brasileira”. O senhor está muito preocupado com isso? A Unimep é invendável! Manifestei publicamente a minha posição contrária à proposta de venda, pois tenho absoluta certeza de que ela contraria os fundamentos e os documentos metodistas. Como Igreja, temos de encontrar alternativas seguras, com diálogo e participação e seguindo parâmetros evangélicos. Além do mais, temos ouvido que a instituições estão em processo de crescimento e com as questões administrativas e financeiras bem encaminhadas. Sobre a Unimep, temos ouvido do próprio reitor Gustavo Alvim sobre o bom momento que passa a universidade.

Ainda no dia da homenagem, um trecho de seu discurso chamou a atenção: “Entendo que este momento é uma oportunidade que temos para ratificar o posicionamento evangélico, filosófico e político sobre a educação expresso nos documentos oficiais da Igreja Metodista — de que educação é um bem público — e recusar explicitamente tratá-la como mercadoria.” Vender a Unimep, na sua visão, seria tratar a educação como mercadoria? Infelizmente a educação nos últimos anos está sendo tratada como um promissor ramo de negócios, a começar pelas discussões no âmbito do Acordo Geral sobre Comércio de Serviços, mais conhecido pela sigla GATS, que na Organização Mundial do Comércio (OMC) está tratando de incluir a educação. No Brasil constatamos a entrada de grupos, inclusive com capital internacional, que buscam investir e crescer em número de alunos e cursos e ter lucratividade. O que importa é o resultado, o retorno financeiro do investimento. Esta situação gera uma competição entre os proprietários, mantenedores e investidores onde a lei do mercado é a que prevalece. Para os segmentos privados que trabalham com educação como compromisso, as universidades confessionais, comunitárias, filantrópicas, religiosas, sociais, etc., é uma luta entre Davi e Golias. Assim, as instituições educacionais católicas e as evangélicas, como as metodistas, são afetadas por este quadro. Para nós, educação não é mercadoria, mas é projeto de vida, emancipação humana, formação do ser humano, uma das expressões do serviço e dos valores evangélicos que pregamos e devemos viver. Para John Wesley, fundador do movimento metodista na Inglaterra no século XVIII, educação é um ato de amor e parte essencial do processo de salvação do ser humano; os documentos oficiais da Igreja Metodista vão na linha contrária a esta visão do mercado, financeira e utilitarista da educação. A educação é compromisso e espaço de defender a vida em todas as suas dimensões.

Como é possível reverter esta decisão? Primeiro, é preciso sustar a decisão de venda pelos caminhos institucionais da própria Igreja, que tem canais apropriados para encaminhar e decidir. Um deles é a Comissão Geral de Constituição e Justiça (CGCJ), que tem atribuições como a de julgar petições de direito que envolvam interesses da administração superior. É nesta linha que a CGCJ está trabalhando uma petição encaminhada pela Coordenação Regional de Ação Missionária da 2ª Região Eclesiástica (RS), que requer a sustação da decisão. Segundo, entendo que o Colégio Episcopal da Igreja tem um papel importantíssimo na condução pastoral e política, o que, com certeza, já está exercendo. Por fim, é imprescindível que sejam buscadas alternativas que encaminhem de forma segura e transparente propostas que respondam às necessidades institucionais e garantam a continuidade da missão educacional da Igreja. Pessoalmente estou esperançoso de que isto vai acontecer. Como leigo da Igreja reafirmo o meu entendimento de que nossas instituições não serão vendidas e que esta discussão acaba por fortalecê-las ainda mais.
Reportagem: Nani Camargo

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Manifesto Izabela Hendrix - Carta aberta em apoio às Instituições Metodistas de Ensino Superior

Manifesto Izabela Hendrix - Carta aberta em apoio às Instituições Metodistas de Ensino Superior



Ao: Colégio Episcopal da Igreja Metodista no Brasil
CC: Conselho Superior de Administração (CONSAD)
Coordenação Geral de Ação Missionária (COGEAM)

Os(as) professores(as) e funcionários(as) do Instituto Metodista Izabela Hendrix vêm a público declarar seu apoio às diferentes manifestações e iniciativas dos (as) educadores (as) metodistas contrários às intenções de venda das instituições metodistas de ensino superior. 

Alinhamo-nos, dessa forma, com o manifesto dos(as) professores(as), funcionários(as) e alunos(as) da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) e também com os integrantes da Coordenação Regional de Ação Missionária (COREAM RS), juntamente com outros segmentos comprometidos com a sólida história educacional metodista, na qual a educação é parte fundamental da missão cristã. 

Ressaltamos, após mais de 140 anos de educação metodista em terras brasileiras, o compromisso com a Missão Educacional referendado no 19º Concílio Geral da Igreja Metodista.

Nosso desapontamento ao projeto de venda das instituições repousa no extremo risco do total esvaziamento da Missão Metodista, reconhecida nacional e mundialmente pela mística da transformação social que ocorre mediante a educação, à luz da rica tradição histórica dos irmãos Wesley, para os quais se deveria unir o par há tanto tempo separado: conhecimento e piedade.

O Instituto Metodista Izabela Hendrix, na semana em que abriu as comemorações de seu 110º aniversário em Belo Horizonte, história com a qual se confunde a própria história da moderna capital mineira, se viu atordoado com as recentes informações veiculadas no dia 5 de agosto na imprensa (Jornal Valor Econômico), sobre a possível venda de cinco instituições de ensino superior, dentre elas o próprio Izabela Hendrix.

É imprescindível avaliar os riscos dessa provável operação, uma vez que a Igreja Metodista é reconhecida pelos órgãos públicos justamente pelo caráter inegável da qualidade da educação de suas instituições e de sua pujante contribuição para a educação e a transformação social em todo o país. 

Esse reconhecimento está justamente nas constantes conquistas, premiações, convênios e parcerias firmados ao longo de toda a sua história. Soma-se a esse reconhecimento o sólido esforço de seus colaboradores(as) no sentido de fortalecer a instituição e superar o desafiante momento vivido por todo o setor de ensino no país. 

Como instituição confessional, o Instituto Metodista Izabela Hendrix está com sua saúde financeira operacional equilibrada. Seus débitos estão sendo pactuados e honrados pontualmente, estando regularizada sua situação no que diz respeito a diversas certidões negativas de débito, consolidando assim seu caráter de Instituição Filantrópica. Além do cenário financeiro interno favorável, a instituição possui cerca de cinco mil alunos matriculados em seus 22 cursos de nível superior, além de mais de 350 alunos matriculados no nível básico.

Isso se alinha ao promissor futuro da educação no cenário nacional. Com a previsão de maior investimento dos recursos do pré-sal na educação e o contínuo fomento da educação técnica e superior, abrem-se novas perspectivas para as instituições cujo renomado projeto político-pedagógico atenda aos programas governamentais que pretendem colocar o Brasil na esteira dos países em desenvolvimento a partir das políticas educacionais de formação profissional de qualidade.

Além de tradicional instituição de ensino, todos os cursos do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix obtêm conceito favorável no MEC, destacando-se como uma das melhores escolas em Belo Horizonte. Uma de suas mais recentes conquistas é o Prêmio Jovem Cientista Nacional, obtido por um estudante negro e bolsista do PROUNI do curso de Arquitetura. Outra grande ênfase está na extensão mediante diversos projetos que atendem a comunidade, dentre os quais se destaca o atendimento a pacientes do SUS realizados pelo Projeto Clínica Integrada da Saúde e o atendimento jurídico a pessoas carentes por meio do Núcleo de Prática Jurídica (NPJURIH). 

Essa extensão também se estende à Igreja pelo apoio constante aos projetos da Fundação Metodista, do Projeto Missionário Passa à Macedônia e de ações das Igrejas Metodistas locais. 

Essa história começou em 1904 com a iniciativa arrojada do Concilio da Igreja Metodista e de um grupo de missionárias da Igreja Metodista dos Estados Unidos, reafirmando a educação como parte integrante da missão metodista, mediante um projeto de oferecer educação de vanguarda, fundada em princípios de liberdade, igualdade e justiça. 

Reiteramos, como metodistas e colaboradores(as), nosso dever de continuar a crer, preservar e lutar pela mística da missão educacional metodista, envidando todos os esforços pela manutenção e consolidação do rico patrimônio histórico, cultural, humano e missionário do projeto educacional semeado pelos metodistas, reconhecido não só em nossos arraiais, mas em toda a sociedade brasileira desde a educação básica até a pós- graduação. 

Belo Horizonte, 20 de agosto de 2014.
Professores(as) e colaboradores(as) metodistas do Instituto Metodista Izabela Hendrix.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Audiência no MEC discute possível venda de cinco IES Metodistas à KPMG

Audiência no MEC discute possível venda de cinco IES Metodistas à KPMG


Nesta segunda feira, dia 8 de setembro, está ocorrendo uma audiência na Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior – Seres – do MEC, em Brasília, sobre a possível negociação de cinco IES Metodistas, incluindo a Unimep – Universidade Metodista de Piracicaba, com campi em Piracicaba, Santa Barbara d`Oeste e Lins. A Igreja Metodista estaria negociando a venda de cinco de suas oito instituições de ensino superior por um valor estimado em R$ 250 milhões, conforme divulgado pelo Valor Econômico.
A audiência foi solicitada pela Confederação dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino – Contee a pedido do Sinpro Campinas e Região. Estarão presentes as diretoras Conceição Fornasari, vice-presidenta do Sindicato e Marilda Ribeiro Lemos e a Secretária das Políticas Internacionais da Contee, Maria Clotilde Lemos Petta. 
No pacote da venda estariam a Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), Faculdade de Birigui, Centro Universitário Izabela Hendrix, em Belo Horizonte, Centro Universitário de Porto Alegre (IPA) e a Faculdade Metodista Santa Maria, ambas no Rio Grande do Sul. Essas cinco instituições têm juntas cerca de 25 mil alunos – o que representa quase metade dos 53 mil estudantes da rede Metodista. A negociação não engloba o patrimônio imobiliário, apenas os alunos e a mantença (CNPJ) das instituições.
A KPMG é uma rede global conhecida pelos negócios que intermedeia. Atua em 155 países e em 13 estados do Brasil, como prestadora de serviços que “ajudam a simplificar” negócios de bancos, automóveis e escolas. A empresa criou um manual de “seis passos para o processo de internacionalização na expansão global das IES”, conforme seu portal entre as quais, a Unimep. O Sinpro Campinas e Região, ao tomar conhecimento das negociações tomou inúmeras medidas, entre as quais a elaboração de uma nota de protesto pela negociação e de apoio aos professores e professoras da UNIMEP, entrou em contato com a Fepesp e a Contee.
Esta nota destaca que “o SINPRO Campinas e Região, a FEPESP – Federação dos Professores e Auxiliares do Estado de São Paulo e a CONTEE lutam há mais de uma década contra a internacionalização, a mercantilização e a financeirização da Educação Superior Privada no país e contrários às fusões, incorporações, aquisições que vão nessa direção.”
A audiência  tem como objetivo solicitar ao Seres medidas que possam barrar este processo.

Com informações do Valor Econômico 

sábado, 6 de setembro de 2014

Segundo blog, conglomerado norte-americano Whitney apresentou oferta pelo controle das universidades metodistas

Segundo blog, conglomerado norte-americano Whitney apresentou oferta pelo controle das universidades metodistas

blog8A norte-americana Whitney teria apresentado uma oferta pelo controle de cinco universidades pertencentes à Igreja Metodista do Brasil. É negócio para mais de R$ 250 milhões. Procurada, a Igreja Metodista confirmou que "já recebeu e recebe muitas propostas" pelas universidades. Mas, segundo ela, isso não significa que "as instituições estejam à venda". Para bom entendedor...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

CARTA ABERTA - Aos metodistas, à comunidade de ex-alunos/as e ex-professores/as e à comunidade em geral das instituições metodistas do Sul. - por Graciela Aço

CARTA ABERTA - Aos metodistas, à comunidade de ex-alunos/as e ex-professores/as e à comunidade em geral das instituições metodistas do Sul. - por Graciela Aço



Eu começo dizendo, melhor, alçando minha voz, através da palavra escrita, com um grito, que não quer calar, que vem do fundo do meu coração, que estarrece minha razão, como pessoa, como educadora que fui durante toda a minha vida, em instituições metodistas, e, acima de tudo, como cristã, que sou pela graça de Deus.

Grito de profunda tristeza, pelo que vejo, constato, ouço, leio pelos diversos meios de comunicação (redes sociais especialmente), o que está acontecendo com nossas instituições.

Grito de aflição, pelo modelo centralizador, que se instalou, que age e toma decisões mesmo contrariando a organização democrática, participativa, da Igreja Metodista; mesmo contrariando as decisões do órgão maior, o Concílio Geral. Tal modelo tem levado a ações obscuras, medidas ambíguas, resultados desastrosos, como a venda de instituições, a venda de carteira de cursos, colégios se arrastando na tentativa de sobrevivência. Tudo leva a crer e não estou só, na afirmativa que faço: há interesses particulares em jogo, possíveis vantagens para uns e outros. E a comunidade metodista é desrespeitada. Afinal, somos ou não somos uma igreja democrática e conexional?

Baixe o texto completo clicando aqui.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Posicionamento do Conselho Universitário sobre as Notícias da Venda Veiculada e seus Impactos para a UNIMEP

Posicionamento do Conselho Universitário sobre as Notícias da Venda Veiculada e seus Impactos para a UNIMEP



O Conselho Universitário da Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP,
considerando:

- as decisões da COGEAM de "dar continuidade de estudos e ações para viabilizar o equacionamento das dívidas das instituições" autorizando no limite a venda da UNIMEP, dentre outras IES da Rede Metodista;
- que esta decisão contrariou deliberação unânime extraída da reunião do Conselho Superior de Administração-CONSAD, assim como do Colégio Episcopal;
- a repercussão negativa que a decisão gerou nas redes sociais, imprensa, ex-alunos, comunidade interna e externa, poder público e a própria Igreja Metodista;
- os danos que a repercussão das notícias ocasionaram à Comunidade Acadêmica e na imagem da UNIMEP perante o público externo, bem como junto aos órgãos governamentais na área de educação e pesquisa, os quais reclamarão novos e maiores esforços para o restabelecimento da confiança na seriedade do projeto institucional, 

vem expor aos órgãos superiores da Igreja Metodista o que segue:

BAIXAR AQUI O MANIFESTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIMEP.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

MANIFESTO DE REPÚDIO À SUPOSTA VENDA DA UNIMEP - Adunimep, Afiep e DCE.

MANIFESTO DE REPÚDIO À SUPOSTA VENDA DA UNIMEP - Adunimep, Afiep e DCE.



Os professores, funcionários e alunos da Universidade Metodista de Piracicaba manifestam o seu veemente repúdio à possível venda da Unimep porque consideram essa transação uma afronta:

1. ao caráter confessional e filantrópico desta instituição de ensino;
2. ao respeito à autonomia universitária garantida no artigo 207 da Constituição de 1988, o qual determina a autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial das instituições de ensino superior do Brasil;
3. à continuidade e manutenção do Projeto Político-Pedagógico da Unimep e dos cursos que a compõem;
4. à comunidade interna e externa, às famílias e aos estudantes que fazem parte dessa instituição universitária e que, historicamente, têm reconhecido os méritos pedagógicos do seu processo de ensino, pesquisa e extensão;
5. à recuperação econômica e financeira da Universidade e à continuidade da construção de estratégias voltadas à sustentabilidade de seu projeto institucional;

Ressaltamos que a distinção da Unimep quanto ao seu caráter confessional e filantrópico é fundamental na definição de um perfil diferenciado das demais instituições de ensino superior do setor privado. Nesse perfil diferenciado está a possibilidade de contar com recursos públicos, conforme art. 77 da LDB, desde que comprovada a finalidade não lucrativa do IEP e se assuma o compromisso de aplicar seu excedente em seu projeto educacional.

Os professores, funcionários e alunos – diante da divulgação do jornal Valor Econômico (05/08/2014), sobre o teor das negociações em curso – não admitem que interesses meramente mercantis, com exclusiva finalidade lucrativa, típica do setor empresarial privado do ensino, venham abrir espaço para a mercantilização dos serviços de educação até então prestados por nossa instituição.

Nesse sentido, reafirmamos que a suposta negociação de venda da Unimep fere a autonomia universitária sob vários aspectos. Inicialmente, a autonomia garantida por lei pressupõe uma forma de gestão que confere à Universidade amplos poderes para firmar contratos, convênios, parcerias, contratar docentes e funcionários qualificados, definir processos acadêmicos-administrativos internos, implementar e manter uma estrutura adequada às suas metas de gestão.

Tudo isso tem sido, historicamente, implementado dentro de um ambiente democrático que garante a participação de professores, alunos e funcionários, radicalmente diferente do que vem ocorrendo em diversas empresas educacionais privadas não confessionais e não-filantrópicas que se encontram subordinadas à lógica do mercado e à busca do lucro. A continuidade e manutenção do Projeto Político-Pedagógico da Unimep e de seus cursos são assim ameaçadas em sua autonomia em vista de tal processo e possibilidade de mercantilização.

Desse modo, a perspectiva de se discutir e se decidir de forma autônoma os rumos da Universidade requer uma gestão que, de fato, esteja comprometida com a história e a vida unimepiana. Uma outra forma de gestão comprometeria esse Projeto de Universidade e a continuidade da construção autônoma das suas políticas, conforme os interesses da comunidade interna e da comunidade externa.

O Projeto Educacional da Unimep, na sua especificidade enquanto instituição confessional e filantrópica, reforça o seu compromisso com a cidadania como patrimônio coletivo da sociedade, demonstrando que o saber científico construído e consolidado nesta instituição está baseado numa competente formação técnica e numa clara consciência da realidade social que a cerca.

Nesse momento, toda a comunidade unimepiana encontra-se dialogando e buscando soluções que têm apresentado resultados financeiros cada vez mais animadores, demonstrando a viabilidade e a possibilidade de sustentabilidade do seu Projeto Educacional. Vale ressaltar, que os professores, funcionários e alunos têm dado significativa contribuição no processo de recuperação econômica e preserva a qualidade acadêmica da Instituição.

Lembramos que, na sua história, a Unimep já superou duas grandes crises: a “janeirada” do ano de 1985 e a “dezembrada” de 2006. Desta feita, em sua trajetória, a comunidade unimepiana sempre esteve unida em defesa de seu projeto institucional, não sendo diferente neste momento. Isto posto, professores, funcionários e alunos, por meio deste manifesto, reafirmam sua união.

Ao contrário do que foi divulgado pelo Valor Econômico, o estudo de possibilidade de venda da Unimep não pode ser justificado pelos critérios financeiros e menos ainda deve ser encaminhado como uma imposição sem diálogo com as instâncias administrativo-pedagógicas responsáveis pelo processo interno decisório desta instituição.

Finalmente, os professores, funcionários e alunos da Unimep – reunidos em Assembleia Geral de suas entidades representativas (Adunimep, Afiep e DCE) – manifestam sua contrariedade à venda da Instituição. Além disso, manifestam também sua disposição para lutar pelo embargo de possíveis negociações de venda da Unimep, defendendo dessa forma seu projeto institucional contra os interesses meramente lucrativos, lamentavelmente dominantes no mercado educacional brasileiro.

Piracicaba, 13 de agosto de 2014.
Adunimep, Afiep e DCE.